cheap jerseys| wholesale jerseys| Cheap Jerseys Hot Sale For World Cup| Cheap NFL Jerseys Supply, Wholesale Jerseys China Free Shippi| Cheap authentic jerseys,Wholesale jerseys Quality Cheap Jerseys| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| Wholesale NFL Nike Jerseys Free Shipping For Sale Cheap | cheap jerseys from china:wholesale jerseys free shipping| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| NFL Jerseys China: Authentic Quality Cheap Jerseys

[Resenha/Crítica]: Fragmentado

O diretor volta à boa forma.

M. Night Shyamalan (Corpo Fechado, O Sexto Sentido), desde o início de sua vida cinematográfica, é um homem que tem um diferencial das produções contemporâneas. Ele participa de toda a execução de suas obras. É o diretor, é o roteirista, é o produtor e, ainda, tem participações como ator em quase todos os seus filmes. Shyamalan é criador de mundos em que há floreios para contar uma história primordial, mas sempre com um tema no mínimo inusitado, e o suspense é elemento essencial para o entendimento do conjunto. Foi assim em O Sexto Sentido – descobrindo sobre a vida e a morte, em Corpo Fechado – a descoberta de poderes sobre-humanos de um homem comum; em Sinais – a perda e a volta da fé e em A Vila – a cultura do medo. E ainda alguns elementos inseridos em todas as histórias, como a água, a cor vermelha (o amarelo também), as crianças, o plot twist (reviravolta no enredo), os sinais (inseridos em parcelas) e os flashbacks, convergindo para o final da trama. Tudo isso em quase todos os filmes. A partir do filme A Dama na Água, crítica e público ficaram com dois pés atrás com o diretor. Sua popularidade estava indo embora. E as histórias já não eram um primor de inventividade. Continuou com os filmes Fim dos Tempos, O Último Mestre do Ar e Depois da Terra, que nem pareciam ser filmes seus e não foram sucesso nem de público e nem de crítica. Mas, em 2015, ele voltou a sorrir com um ensaio de um novo sucesso, A Visita, um filme simples, duas crianças e dois idosos, com muito suspense e um novo elemento permeando toda a história, o cinismo. Aqui, o sarcasmo foi o dono do enredo, e funcionou muito bem. Nesta semana, chega aos cinemas do Brasil, Fragmentado, seu mais recente filme e que tem recebido grandes elogios mundo afora. E por que Fragmentado é bom? A resposta é muito simples, porque Shyamalan voltou a pensar como em seus primeiros filmes, uma história simples convergindo para algo maior.

Em Fragmentado temos a história de um homem, Kevin, que está sendo atendido por uma psiquiatra. Ele já revelou 23 personalidades e, ainda, uma outra que pode aparecer a qualquer momento, podendo dominar as outras. Kevin sequestra três garotas e passará a conviver com os seus “eus” interiores, com as garotas e com a psiquiatra. Aí está o enredo, que se mostra simples, mas é cheio de conflitos para todos os lados. Tudo gira em torno de três vertentes, a de Kevin, que já não se reconhece mais e de Casey, uma das garotas sequestradas, que precisa conhecer e entender o que passa pela cabeça de Kevin e da Dr. Fletcher, que estuda suas personalidades. Assim, Fragmentado está em pedaços, como um quebra-cabeça, suas peças precisam ser juntadas para o desenho ficar completo.

Shyamalan, depois de seus quatro primeiros filmes que ficaram no imaginário popular, agora volta a entender o que pode ser bom para ele, diretor, e para nós, telespectador. Ele volta a fazer um estudo de personagem, como fez tão bem com o ator Bruce Willis (Sin City 2: A Dama Fatal), em O Sexto Sentido e Corpo Fechado, com Mel Gibson (Coração Valente), em Sinais e com Bryce Dallas Howard (50%), em A Vila. Em Fragmentado, o personagem de James McAvoy (X-men : Apocalipse), é o estudo da vez, tão bom em cena que não imaginamos outro ator para desempenhar tal papel.  McAvoy faz a gente se interessar por aquela persona cheia de nuances, num papel que poderia facilmente se tornar uma caricatura, mas por causa da respiração certa, do olhar diferenciado e do corpo a serviço de várias vidas, tudo se torna verdadeiro. Já quero o seu Oscar, McAvoy, você está pronto. A jovem atriz Anya Taylor-Joy, de A Bruxa, é uma das garotas sequestradas que precisa fugir da alma doentia de Kevin. Taylor-Joy já vinha de uma interpretação arrebatadora e agora mostra todo seu potencial em momentos ternos, com grande carga psicológica vinda da infância. Fiquemos de olho em Anya Taylor-Joy.

Fragmentado, mesmo com pequenos tropeços, bem pequenos, chega para trazer Shyamalan para os holofotes novamente. É um filme que flerta com o sobrenatural e com o suspense, digo flerta porque não é o tempo todo, mas seus momentos finais são bem angustiantes e toca em um tema sempre urgente, o abuso infantil. Shyamalan sempre foi bom diretor e grande inventor de ótimas situações, não poderia se perder em meio a filmes rasos ou bobinhos. Ele é mais. E traz de volta tudo aquilo que conhecemos de suas boas histórias, o cuidado com a iluminação e o som, sempre em função do que é visto, nada desnecessário, e uma precisão perfeita na montagem da história, trazendo o passado linkado ao presente. E o último frame do filme, fazendo ligação com algo inusitado, é uma das maiores surpresas do longa. Eu, que tenho Corpo Fechado como seu melhor filme, gostei bastante de Fragmentado, Shyamalan me deixou em pedaços. Volte sempre!

Nota do CD:

[Rating: 4/5]

Sinopse:Kevin está sendo atendido por uma psiquiatra. Ele já revelou 23 personalidades e, ainda, uma outra que pode aparecer a qualquer momento, podendo dominar as outras. Kevin sequestra três garotas e passará a conviver com os seus “eus” interiores, com as garotas e com a psiquiatra.

Trailer do Filme:

Ficha Técnica:
Gênero: Terror
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: Anya Taylor-Joy, Betty Buckley, Brad William Henke, Haley Lu Richardson, Jalina Mercado, James McAvoy, Jessica Sula, Kim Director, Lyne Renee, Maria Breyman, Neal Huff, Sebastian Arcelus, Steven Dennis
Produção: Jason Blum, M. Night Shyamalan, Marc Bienstock
Fotografia: Mike Gioulakis
Montador: Luke Franco Ciarrocchi
Trilha Sonora: West Dylan Thordson
Duração: 117 min.
Ano: 2016
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 23/03/2017 (Brasil)
Distribuidora: Universal
Estúdio: Blinding Edge Pictures / Blumhouse Productions

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Detalhando, Em Cartaz, Resenhas de Filmes, Suspense, Terror, Vavá Pereira

Sobre o autor ()

Um publicitário que ama os filmes desde que nasceu. De Closer a O Senhor dos Anéis, de Uma Linda Mulher a O Poderoso Chefão. Sim, eu amo Julia Roberts! Gosto de quem gosta dos filmes que gosto, mas gosto mais ainda de quem não gosta, pois uma boa discussão não faz mal a ninguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

The Clay Matthews Retro Alternate Jersey Further My Love For This Nfl
New World Cup Jerseys 2011
Buying A Fabulous Soccer Jerseys As A Souvenir For Yourself
Pitcher Selects Colorado Rockies' Game
Showing Of The Nfl Football Jerseys
How Soon Will Sponsorship Logos Show Up On Nfl Jerseys?
Support Your Team With Mlb Dog Apparel And Accessories
The Features Of Getting Wholesale Jerseys
The Worthy Discount Jerseys
Top Selling Nfl Jerseys
Dog Clothes For The Varsity Or Sports Fan
cheap jerseys
wholesale jerseys
cheap nfl jerseys
wholesale jerseys
cheap nba jerseys
cheap mlb jerseys
cheap nfl jerseys
cheap jerseys