cheap jerseys| wholesale jerseys| Cheap Jerseys Hot Sale For World Cup| Cheap NFL Jerseys Supply, Wholesale Jerseys China Free Shippi| Cheap authentic jerseys,Wholesale jerseys Quality Cheap Jerseys| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| Wholesale NFL Nike Jerseys Free Shipping For Sale Cheap | cheap jerseys from china:wholesale jerseys free shipping| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| NFL Jerseys China: Authentic Quality Cheap Jerseys

[Resenha/Crítica]: Animais Noturnos

animais

Um filme que funciona (bem) com cenas isoladas. Mais nada.

Mulheres gordas, dançando, são expostas em um trabalho de arte da protagonista, impactante e “quase” sem sentindo, até seria legal se houvesse um link mais tarde sobre essa façanha. A protagonista leva um susto ao ver um vídeo no celular de outra pessoa – um susto que não diz a que veio. Jake Gyllenhaal (Os Suspeitos), em momento de desespero, literalmente se desespera, não era pra tanto, ou era? Melhor não. Um filme dentro do filme, que tem mais tempo que o próprio filme. Pra quê? A resposta é simples, senão não existiria o filme. O que Amy Adams faz em A Chegada nem dá pra comparar com o que ela faz em Animais Noturnos, ela está linda, lânguida e deprê, como pede a sinopse do filme, mas perde em brilho e carisma. Por tudo isso e mais algumas “gracinhas” do roteiro, Animais Noturnos não é um grande filme, mas que tem porte de “grandioso” e, com grandes chances de ganhar alguns prêmios por sua produção, que é quase impecável. Animais Noturnos funciona com ótimas cenas isoladas, mas um filme não é feito só com cenas destacadas, é preciso bem mais.

Tom Ford tinha uma carreira consolidada no mundo da moda. Estilista e revitalizador da famosa marca Gucci. Em 2009, dirigiu O Direito de Amar. Em seu primeiro filme, ele conta, com delicadeza, a história de um homem, nos anos 60, que perde o seu companheiro, juntos há dezesseis anos. O filme é todo banhado em poesia e melancolia, com a perda do ser amado e com visual impactante, mesclando flashbacks com as dores do momento atual. Agora, Tom chega com seu segundo filme, Animais Noturnos, mas sem a mesma magnitude do primeiro. Ou melhor, se perde contando uma história que não nos importamos e, se não houvesse essa história, seria um curta de quinze minutos.

animais2Animais Noturnos conta a história de Susan, uma mulher com semblante triste e pesaroso, casada com um homem que a trai. Um dia recebe um livro de seu ex-marido, Edward, com quem foi casada na juventude. O livro é dedicado à Susan e relata a viagem de um casal e sua filha, que são obrigados a parar o carro no meio da estrada e que são violentados covardemente. Aqui começamos o problema de Animais Noturnos, pois a história do livro toma a maior parte do filme, sendo que aquilo que vemos é a “ficção” do livro que Susan está lendo. E o formato do filme vai sendo revelado. Veremos a vida atual (em frangalhos) de Susan, flashbacks (malditos) de momentos do passado, com Edward e a famigerada história de vingança do livro. É muita coisa que não faz ligação, que não se conecta, ou se conecta forçadamente, em demasia, como o personagem do livro, que toma banho e a personagem “da vida real” também – um tanto cafona. E ainda me pergunto por que Jake Gyllenhaal intercala nos papéis de marido no livro e nos flashbacks, enquanto a esposa de Amy Adams (A Chegada) foi trocada por Isla Fisher (O Grande Gatsby). Pra quê? Não existem respostas. Animais Noturnos, em seus primeiros minutos, é perfeitamente bem trabalhado, com ares de alguma propaganda famosa, podendo ser da Gucci, que Tom Ford conhece bem, mas a junção dessas histórias não é agradável de acompanhar, não há grande interesse. Em alguns momentos passamos por cenas sofríveis por conta dos diálogos que chegam perto do risível – e não era pra rir.

animais3O elenco tenta trabalhar com o que tem em mãos. Amy Adams, apaticamente bela e desprovida de qualquer vigor, está o contrário de sua personagem no magistral A Chegada, onde cada aparição é cheia de simbolismo, exalando emoção. Jake Gyllenhaal está alguns tons acima do seu normal (um dos seus piores), mas vejo mais como um problema de direção e que foi prontamente atendida – salvemos Jake. E ainda me pergunto por que seu personagem fica frente a frente com o policial e os seus algozes. Pra quê? Não temos respostas.  Michael Shannon (O Homem de Aço) é o que está melhor em cena, engolindo quem está ao seu redor, mas é outro personagem que não tem muito a render, infelizmente. Aliás, a história do livro é uma m… Deixa pra lá. E temos uma ótima presença de Laura Linney (Sully-O Herói do Rio Hudson), 52 anos, como mãe de Amy Adams, 42 anos. A gente faz de conta que acredita. Michael Sheen (Tron-O Legado), em apenas uma cena, faz um gay, casado com uma mulher rica e dispara “acredite em mim, nosso mundo é muito menos doloroso do que o mundo real”, não precisou de mais nada. Ótimo!

Animais Noturnos, em alguns momentos, tem presença visualmente forte e bela, tentando dizer algo com aprofundamento, mas tudo se dilui rapidamente, sem grandes expectativas. E com sua segunda incursão na direção de um filme, Tom Ford revela a vingança de amores mal resolvidos, mas que não consegue juntar todos os pontos em um denominador comum. Se fossem dois filmes – melhor construídos, seriam mais prazerosos em ser degustados. Mas, repito, ele funciona com ótimas cenas isoladas, mas só isso não basta.

Nota do CD:

[Rating: 2/5]

Sinopse:Animais Noturnos conta a história de Susan, uma mulher com semblante triste e pesaroso, casada com um homem que a trai. Um dia recebe um livro de seu ex-marido, Edward, com quem foi casada na juventude. O livro é dedicado à Susan e relata a viagem de um casal e sua filha, que são obrigados a parar o carro no meio da estrada e que são violentados covardemente.

Trailer do Filme:

Ficha Técnica:
Gênero: Drama
Direção: Tom Ford
Roteiro: Tom Ford
Elenco: Aaron Taylor-Johnson, Amy Adams, Andrea Riseborough, Armie Hammer, Beth Ditto, Ellie Bamber, Evie Pree, Franco Vega, Graham Beckel, Imogen Waterhouse, India Menuez, Isla Fisher, Jake Gyllenhaal, Karl Glusman, Laura Linney, Michael Shannon, Michael Sheen, Neil Jackson, Robert Aramayo, Zawe Ashton
Produção: Robert Salerno, Tom Ford
Fotografia: Seamus McGarvey
Montador: Joan Sobel
Trilha Sonora: Abel Korzeniowski
Duração: 115 min.
Ano: 2016
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 29/12/2016 (Brasil)
Distribuidora: Universal
Estúdio: Focus Features / Universal Pictures

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Detalhando, Drama, Em Cartaz, Resenhas de Filmes, Vavá Pereira

Sobre o autor ()

Um publicitário que ama os filmes desde que nasceu. De Closer a O Senhor dos Anéis, de Uma Linda Mulher a O Poderoso Chefão. Sim, eu amo Julia Roberts! Gosto de quem gosta dos filmes que gosto, mas gosto mais ainda de quem não gosta, pois uma boa discussão não faz mal a ninguém.

Comentários (17)

Trackback URL | Comentários de RSS Feed

  1. JULIO COSTA disse:

    Nossa, pior q o filme só essa explicação

  2. Aaron disse:

    Caramba você entendeu muito o filme…
    “E ainda me pergunto por que Jake Gyllenhaal intercala nos papéis de marido no livro e nos flashbacks, enquanto a esposa de Amy Adams (A Chegada) foi trocada por Isla Fisher” acho que antes de sair escrevendo merdas, deve se ter o mínimo de conhecimento sobre o mesmo!
    Eu estava procurando um explicação não uma ignorante!

  3. Johnny St disse:

    O filme não é ótimo, mas também não chega a ser ruim, sacia o que se propõe, achei legal está crítica abaixo de um youtuber.
    https://www.youtube.com/watch?v=91xSaL33r9U

  4. Jucenildo disse:

    Para deixar bem claro: A Chegada e Animais Noturnos são filmes totalmente diferentes. Então, por favor, não fique procurando semelhanças entre os dois, pois não vai encontrá-las. Na minha opinião: O filme é excelente. Pode não ter sido bom o suficiente para algumas pessoas. Mas o que me chamou a atenção, é que o filme consegue prender o telespetador, que fica ansioso pra descobrir o que vai acontecer. Confesso que o final me decepcionou. Esperava que Edward e Susan ficassem sem juntos, como todo bom romance.

  5. Guilherme disse:

    procurava confirmar minhas conclusões sobre a história complexa do filme e me deparo com uma crítica que só fala mal dele, aff…

  6. Jamil disse:

    Na minha opinião, o livro se trata do próprio Edward. O filme diz nos “flashbacks” que ela terminou o relacionamento por medo dá fraqueza dele, e o livro se trata exatamente disso. Além de dizer também que ele só escreve sobre si. Creio que é uma história acontecida.

  7. Pérola Magalhães disse:

    Uma crítica maravilhosa para um filme bem medíocre. O autor da crítica entendeu tudo muito bem, por isso escreveu as incongruências desse filmeco. As pessoas que estão contra estão boiando mais do que o filme. kkkkkkkkkkkk. ADOREI A CRÍTICA.

  8. Daniel C disse:

    Que crítica e explicação sem vergonha. O filme não é excelente, mas não é pessimo como detalhado aqui.

  9. Valmir Fiuza disse:

    Morro de rir com os pitacos na crítica alheia. Ali é apenas o que ele achou. As pessoas chegam e querem dar lição de moral. Cada um entende como quiser. Eu achei o filme podre. Outros gostaram. Paciência!E ADOREI A CRÍTICA!

  10. Rômulo disse:

    Vou ter que concordar com os comentários acima. Quem fez a crítica realmente não entendeu NADA do filme. E ainda por cima não costuma ler, pois não sabe o que é signo linguistico. Quando ela lê o livro, ela imagina o Jake porquê ela imagina que o protagonista é o proprio Edward, como na cena em que ela fala que só escreve sobre ele. E ela não imagina a Amy Adams como esposa do Tony (protagonista do livro) porquê ela não se imagina junto a ele, imagina ele com outra esposa e outra familia. O livro somente retrata, no meu ponto de vista, a metáfora do casamento deles: o inicio feliz, sem saber o que viria no futuro, alguns pontos baixos, discussões e, pra finalizar, alguem que “rouba” a esposa dele e a filha, assim como a própria Susan fez: abortou e terminou com outro homem. Não quero nem ler a crítica desse site sobre O Homem Duplicado ou Donnie Dark, por exemplo, porquê posso imaginar como seria.

  11. Mauro disse:

    Também achei que não entenderam o filme. É o tipo de filme em que não se pode perder nenhum detalhe. Mas está tudo ali… Filmão!

  12. Gabriel disse:

    As mulheres gordas do começo aparecem mais tarde na cena em que o tony e o detetive saem do bar com o assassino, nao consegui nenhuma associação, mas deve ter algum sentido

  13. Amanda Anjos disse:

    Você, infelizmente, não entendeu nada do filme! Precisa assistir mais algumas vezes e talvez veja o quão é brilhante as diferentes narrativas que no fim se interlaçam.

    Pense em uma revanche da próxima vez, e tente entender sobre o que a historia do livro realmente conta, uma dica, o casamento de Susan e Edward tem tudo haver!

    • João pedro disse:

      Ooh acho que a critica foi feita do filme e não do livro. Eu adorei a critica

      • Japhet disse:

        Entendi assim: na vida real o cara perdeu a mulher e o filho (aborto) por ser fraco. Então, ele fez uma ficção em que um cara por ser fraco tem a esposa e filha morta! E quando mata o bandido se quer mostrar corajoso para voltar pra Susan, ou seja, a grandeza do livro lhe faz digno de voltar pra ela!
        Grande filme!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *