cheap jerseys| wholesale jerseys| Cheap Jerseys Hot Sale For World Cup| Cheap NFL Jerseys Supply, Wholesale Jerseys China Free Shippi| Cheap authentic jerseys,Wholesale jerseys Quality Cheap Jerseys| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| Wholesale NFL Nike Jerseys Free Shipping For Sale Cheap | cheap jerseys from china:wholesale jerseys free shipping| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| NFL Jerseys China: Authentic Quality Cheap Jerseys

Capitão Fantástico

660x365_1475696577

Capitão Fantástico entrou em minha seleção de filmes para o Festival do Rio 2016, devido ao prêmio ganho por Matt Ross (Silicon Valley), como melhor realizador da seleção paralela de Cannes, Un Certain Regard, que apresentou 18 filmes de 20 países distintos. Não tive decisão mais acertada, sendo este, até o momento, o filme que mais me atraiu e que foi capaz de me deixar de olhos esbulhados e com aquele semblante bobo de felicidade por quase 3 minutos, numa interpretação magnífica da música Sweet Child O’ Mine dos Guns N’ Roses em uma determinada altura, da projeção, que já estava completamente envolvido com os personagens.

>> Essa crítica foi escrita para a cobertura do Festival do Rio 2016 e clicando aqui, você confere mais textos!

A trama apresenta uma família, que vive em uma floresta, nas montanhas de Washington, e seguem uma ideologia opositória à cultura comum adotada pela sociedade. Ben, o pai e o Capitão Fantástico da história, cuja a esposa doente está hospitalizada a cerca de três meses, cria seus filhos com um estilo de vida diferente, sem tecnologias, ensinando os caçar para sobreviver, com treinamentos diários e exercícios, que lhes tornem mais fortes, e, principalmente, com ideais que atacam diretamente o capitalismo social. Toda essa opção de vida é muito bem estruturada com rotinas de estudos, leituras, debates em família e datas festivas próprias, não há espaço para o Natal, por exemplo. O problema que tudo é posto a prova, quando Ben toma ciência do suicídio cometido por sua esposa e decidiu, em família, rumar para seu enterro, saindo com os filhos do ambiente em que sempre viveram e e se deparando com situações aos quais não estavam acostumados a lidar.

Capitão Fantástico é um filme original, peculiar e é muito fácil acompanhá-lo. O tempo de projeção voa e termina com um gostinho de quero mais. Todos os personagens possuem importância e todos são extremamente carismáticos. É muito divertido perceber o seus jeitos diferentes de enxergar o mundo e, principalmente, de se conectar a eles. Impossível não dar risada, mas é importante entender o que está sendo mostrado, pois no fundo de cada situação apresentada há um teor crítico, relacionando diretamente a forma de pensar, de cada um, e como isto termina por moldar as crenças e atitudes da pessoas. Todos os atores estão excelente, inclusive os mais novos, com destaque para Viggo Mortensen (A Estrada, Um Método Perigoso), que entrega uma performance maravilhosa e cheia de carisma, ao ponto de fazer com que achemos natural tudo o que ele se propõe a fazer. Atuação digna de prêmios.

Capitão Fantástico possui uma fotografia, com lindíssimas paisagens naturais, que se destaca junto a uma direção de arte que tem o cuidado de valorizar cada cena, criando ambientes impressionantes dentro da floresta, com uma casa muito bem estrutura, engenhocas divertidas e cuidando, com carinho, da transposição do mundo verde para o mundo metropolitano.O figurino, também, é impressionante e marcante, além de remeter muito as obras de Wes Anderson (O Grande Hotel de Budapeste, Moonrise Kingdom),  valoriza as cores, que são muito divesificado e, quando aplicadas, nos trajes coloridos ao extremo, reforçam a rebeldia social proposta pela família. A trilha sonora é muito bonita e a cena que citei nesta introdução é de fazer chorar.

Ao término fica uma mensagem muito importante sobre extremismo e as consequências que isso pode trazer na vida das pessoas. Até que ponto o radicalismo deve ir? Considerei sensacional, principalmente para o momento que estamos passando, pelo qual vivemos na briga da esquerda contra a direita, do nordestino contra o sulista, do homossexual contra o heterossexual e da feminista contra o masculinismo… O mundo seria muito mais tranquilo se houvessem mais “meio termos”… Aliás, deve haver um meio termo para tudo na vida e é isso que Capitão Fantástico ensina, com louvor. Sempre será melhor um acordo, do que uma discussão. Já dizia o velho ditado.

Nota do CD:
[Rating: 5/5]

Sinopse: Ben é pai de seis crianças e decide deixar a cidade e educá-las nas florestas selvagens do Pacífico Norte, longe da civilização. Elas aprendem a praticar esportes e combater inimigos até que Ben e sua família são obrigados a voltar à vida urbana. Agora é ele quem precisa aprender a se acostumar novamente à vida moderna.

Trailer do Filme:

Ficha Técnica:
Gênero: Comédia
Direção: Matt Ross
Roteiro: Matt Ross
Elenco: Ann Dowd, Annalise Basso, Charlie Shotwell, Elijah Stevenson, Erin Moriarty, Frank Langella, Galen Osier, George MacKay, Hannah Horton, Kathryn Hahn, Missi Pyle, Nicholas Hamilton, Rex Young, Samantha Isler, Shree Crooks, Steve Zahn, Teddy Van Ee, Trin Miller, Viggo Mortensen
Produção: Jamie Patricof, Lynette Howell Taylor, Monica Levinson, Shivani Rawat
Fotografia: Stéphane Fontaine
Montador: Joseph Krings
Trilha Sonora: Alex Somers
Duração: 118 min.
Ano: 2016
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 08/12/2016 (Brasil)
Distribuidora: Universal
Estúdio: Electric City Entertainment / ShivHans Pictures

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Drama, Resenhas de Filmes, Tiago Britto

Sobre o autor ()

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *