cheap jerseys| wholesale jerseys| Cheap Jerseys Hot Sale For World Cup| Cheap NFL Jerseys Supply, Wholesale Jerseys China Free Shippi| Cheap authentic jerseys,Wholesale jerseys Quality Cheap Jerseys| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| Wholesale NFL Nike Jerseys Free Shipping For Sale Cheap | cheap jerseys from china:wholesale jerseys free shipping| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| NFL Jerseys China: Authentic Quality Cheap Jerseys

[Resenha/Crítica]: Negação

A todo ano somos bombardeados por produções “inspiradas em uma incrível história real”, e afins. Sempre com seu espaço cativo em festivais, premiações e no coração do público, o subgênero dos dramas históricos atrai não somente público e crítica, como também astros renomados e grandes produções, fundeados pelo fácil apelo. Durante a temporada de premiações 2016/17 não foi diferente: filmes como Até o Último HomemEstrelas Além do TempoUm Estado de Liberdade são alguns exemplos que seguem tal fórmula – quanto ao seus êxitos, isso já é outra história. E é em uma espécie de meio-termo que Negação habita.

Percorrendo fáceis caminhos narrativos – muito em parte por buscar suporte em sua “chocante história real” –, Negação inicia-se com sua protagonista Deborah Lipstadt (Rachel Weisz, A Luz Entre Oceanos), historiadora judia, lecionando didaticamente (aos seus alunos e ao próprio espectador) sobre o modus operandi daqueles que recusam-se a aceitar o Holocausto como evento histórico e verídico; ou seja, negadores. E é por implicar tal acusação em seus livros a outro historiador, David Irving (Timohy Spall, Mr. Turner), que este acaba processando-a. Enfrentando o caso na Inglaterra (com uma jurisprudência completamente diferente da norte-americana), Deborah precisará lidar com uma equipe de advogados e defensores, encabeçada por Anthony (Andrew Scott, da série Sherlock) e Richard (Tom Wilkinson, Snowden), a fim de provar que o Holocausto, de fato, ocorreu em pleno tribunal.

Por esta sinopse simples e de poucos personagens e eventos, podemos entender que tudo decorre de forma direta e ágil dentro de seu tempo representado; mas não, entre as primeiras contestações de David, ainda de maneira informal, ao início do processo e pré-júri, seis anos se passam (tudo isso em vinte minutos de filme).  Todo esse período elipsado pela fraca montagem pouco apresenta ao espectador em termos de personagens, suas características e relações. Em exceção ao primeiro embate entre Deborah e David (que irrompe uma das palestras da protagonista), a narrativa pula de evento a evento, cumprindo somente com sua conformidade narrativa, sem oferecer situações que vinculem o espectador ao caso (apesar da tocante temática) e seus personagens.

Claramente dividido em duas partes, Negação utiliza de sua primeira metade como apresentação e preparação ao caso. Mesmo não dando espaço ao personagem de David e suas convicções, em muito o filme explora a vontade de justiça e busca pela verdade (e também de provar o ocorrido) de Deborah. E para tal, todos os recursos já utilizados em filmes semelhantes são empregados no roteiro do dramaturgo David Hare (As Horas) e pela direção de Mick Jackson (O Guarda-Costas): os longos travellings acompanhados de uma suave e rançosa melodia e associados aos discursos emocionantes (e expositivos) de seus personagens, os frequentes gaguejos (que não passam de meras muletas de interpretação) do “lado bom” ante a imposição do “vilão”, a fria fotografia do clima londrino que sobrecarrega a protagonista, personagens que entoam uma comovente canção devidamente apropriada ao seu contexto.
E como se não bastasse seus inúmeros clichês, o filme também apela a outros recursos duvidosos (e não menos enfadonhos), como sobreposições de imagens e flashbacks esporádicos que situam a rotina de campos de concentração.

O pouco que compreendemos sobre David, que nos é apresentado como um verdadeiro vilão inescrupuloso e manipulador, é posto de maneira indireta e por meio do que os outros personagens têm a dizer, impossibilitando qualquer introspecção do personagem entre suas convicções e ideais. O também óbvio design de produção destaca a casa de David predominada pela cor vermelha e alguns objetos pontuais de seu cenário (como uma estante tomada por vários livros sobre Hitler). A atuação de Spall convence pelo que o roteiro oferece-o, e ganha maior proporção no avanço da trama, ocorrendo certa transição em sua compostura mas não em seus discursos.

O mesmo ocorre com Rachel Weisz; os resquícios da atriz que outrora manifestava-se por nuances são arruinados pelas linhas grandiloquentes do roteiro que a compõe, sabotando toda e qualquer expressão genuína. É notável, no entanto, a composição corporal da atriz, exibindo facilidade quanto a demonstração de sentimentos pontuais e oscilação destes em curto período de tempo, quando exigidos. E por falar em sua composição, alguns elementos de figurino, mesmo que explícitos, acentuam o estado da protagonista e sua transição: o contraste de seus figurinos com o ambiente, ou até mesmo seu penteado leve (representado aqui por uma peruca muito artificial) ante o cenário pesado.

Conduzindo sua segunda metade como um filme de tribunal, Negação novamente falha em demonstrar o mínimo de autenticidade na exploração de todos os seus elementos. A disputa judicial carece de intensidade em sua condução, com raros e oportunos momentos capazes de demonstrar qualquer tensão ou energia pelas partes. Prezando pelos embates entre o defensor de Deborah, Richard, e David – e, assim, seus diálogos –, talvez o maior mérito da produção resida aqui: a atuação de Tom Wilkinson. Incorporando trejeitos e peculiaridades, o ator faz do defensor o personagem mais humano, tolerável e respeitável de todo o filme. Convencendo dentro e fora do tribunal (ao expor um lado mais sensível dentro de toda a história, mesmo que de forma abrupta), Richard é o destaque de toda a segunda metade da metragem – e ao final desta, o único relevante.

Ao optar por não dar o devido espaço mesmo no julgamento do caso ao personagem de David e sua preparação, o personagem é asfixiado pelas conveniências do roteiro – perdendo até a carga de “jogo psicológico” que fora proposto em seu primeiro ato. Sempre atestando o diferente tratamento entre os historiadores (David é praticamente uma celebridade unânime e adorada no universo do filme) por público e imprensa, pouco é explorado em torno do absurdo de suas alegações e defesas, na tentativa, claro, de fortalecer o viés maniqueísta que percorre toda a trama.

A culminância de todos os seus defeitos e equívocos, previamente expostos, compõe o clímax da projeção. Até mesmo a tentativa (completamente descabida) de estabelecer certas rimas visuais com elementos anteriores ao final do filme é rasa e má utilizada. Propondo a inclusão de diversos debates e correntes de pensamento à envergadura do filme, em meio a um tema delicado e de fácil aceitação do espectador, Negação não corresponde nem mesmo à sua mais simples e principal tarefa (seja ela o fácil entretenimento ou a mensagem de conscientização). Temos aqui mais um exemplo de drama histórico que não sabe explorar nem mesmo seus próprios limites dentro do contexto real em que fora baseado – e ganha contornos ainda mais embaraçosos quando ultrapassa tais limites.

Nota do CD:
[Rating: 2/5]

Sinopse: A escritora Deborah E. Lipstadt luta para provar uma verdade histórica contra David Irving, que a acusa de difamação por declarar que ele não acredita na existência do Holocausto.

Trailer do filme:

Ficha técnica:
Gênero: Drama
Direção: Mick Jackson
Roteiro: David Hare
Elenco: Alex Jennings, Andrew Scott, Caren Pistorius, Harriet Walter, Jack Lowden, John Sessions, Mark Gatiss, Nikki Amuka-Bird, Rachel Weisz, Timothy Spall, Tom Wilkinson
Produção: Gary Foster, Russ Krasnoff
Fotografia: Haris Zambarloukos
Montador: Justine Wright
Trilha Sonora: Howard Shore
Duração: 109 min.
Ano: 2016
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 09/03/2017 (Brasil)
Distribuidora: Sony
Estúdio: BBC Films / Krasnoff / Foster Entertainment / Participant Media / Shoebox Films
Classificação: 12 anos

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Arthur Salles, Detalhando, Drama, Em Cartaz, Resenhas de Filmes

Sobre o autor ()

Formando em Direito, adentrou no mundo do Cinema ao descobrir O Poderoso Chefão numa antiga locadora. Ainda nutre uma enorme paixão por videogames, futebol (gremista sofredor) e o que mais o tempo (e paciência) permitir. Curitiba/PR.

Comentários (1)

Trackback URL | Comentários de RSS Feed

  1. Cecilia disse:

    Gostaria que alguém me lembrasse desse filme: jovens estão numa represa cidade americana. Um acidente acontecem um dos amigos empurra o outro, que cai e morre. Desesperado, ele conta aO pai sobre o acontecido, que dá a ele duas opções: se entregar à polícia ou fugir da cidade. Ele vai embora e anos depois pensa em voltar com a família. obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sports Team Shower Curtains
5 Can't Miss Baseball Gifts For Kids
Cheap Nfl Jerseys Wholesale
How Clay Matthews' Retro Alternate Jersey Boosted My Nfl Interest
New Nike Nfl Jerseys A Hoax
Create Unique Custom Football Jerseys
Revealing Vital Elements Of Cheap Nfl Jerseys
Cheap Nfl Jerseys Only Exist In China
The Clay Matthews Retro Alternate Jersey Further My Love From The Nfl
The Origin And Improvement Of Nfl Team - The Arizona Cardinals
Nfl Jerseys Are Not Necessarily For Men
cheap jerseys
wholesale jerseys
cheap nfl jerseys
wholesale jerseys
cheap nba jerseys
cheap mlb jerseys
cheap nfl jerseys
cheap jerseys