cheap jerseys| wholesale jerseys| Cheap Jerseys Hot Sale For World Cup| Cheap NFL Jerseys Supply, Wholesale Jerseys China Free Shippi| Cheap authentic jerseys,Wholesale jerseys Quality Cheap Jerseys| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| Wholesale NFL Nike Jerseys Free Shipping For Sale Cheap | cheap jerseys from china:wholesale jerseys free shipping| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| NFL Jerseys China: Authentic Quality Cheap Jerseys

[Resenha/Crítica]: Crítica 3% – Primeira Temporada

3 por cento

 

Você é o criador do seu próprio mérito, esta é a frase que mais se ouve durante a série, mostrando parte do que seu enredo principal trata.

3% é uma produção que causou grande expectativa no público, sendo um dos motivos o de ser um trabalho que começou a ser divulgado em 2011, por ser um trabalho tupiniquim gerou um certo fervor, vivemos um momento onde o Brasil tem se mostrado um bom celeiro de roteiros e produções de qualidades para séries.

A história, apesar de clichê, se passa num Brasil dividido entre o continente pobre e o Maralto, um lugar rico e com tecnologia avançada. Todos os jovens quando completam 20 anos tem direito de participar do Processo, um conjunto de desafios que seleciona somente 3% da população do continente, e durante essa “seleção” a trama se desenrola mostrando histórias de alguns de seus participantes. A série possui um conceito bacana, trazendo um olhar social artístico sobre desigualdade e corrupção, também é importante mencionar o figurino apocalíptico futurista que tem um destaque legal no projeto, assim como a trilha sonora, que apesar de pequena tem um peso grande no conjunto geral, e cenários visualmente bem agradáveis.

Apesar de ser uma série brasileira é nítido o uso de referências internacionais, os elementos claramente não são pertencentes ao Brasil fazendo assim o espectador se perguntar se a trama se passa realmente no país, começando assim a fazer a produção perder um pouco do seu brilho. Outra situação que faz a mesma ter um certo declínio é a questão do roteiro parecer incompleto, durante o decorrer espera-se que coisas simples sejam mostradas, como por exemplo a cidade do Maralto ( lugar no qual muitos lutam para estar), algumas cenas são questionáveis, não são mostradas cenas onde mostram a realidade dos participantes do Processo, assim como também não conseguimos saber se de fato o Maralto é um lugar onde se valha a pena lutar pra entrar. Por fim a parte que mais me decepcionou foi o desfecho da história, a mesma acaba com a ideia que faltam pedaços, mas não como artifício para prender o espectador para uma segunda temporada mas como um trabalho mal feito.

Resta esperar que se houver uma segunda temporada os retalhos sejam costurados e o enredo tenha o sentido que deveria ter tido.

Nota do CD:
[Rating: 2/5]

Sinopse: A atração se passa num mundo distópico, depois de diversas crises que deixaram o planeta devastado. No norte do Brasil, a maior parte da população sobrevivente mora no Continente, um lugar miserável, decadente, onde falta tudo: água, comida, energia. Aos 20 anos de idade, todo cidadão tem direito de participar do Processo, uma seleção que oferece a única chance de passar para o Maralto, onde tudo é abundante e há oportunidades de uma vida digna e justa. Mas somente 3% dos candidatos são aprovados no Processo.

Trailer do Filme:

Ficha Técnica:
Gênero: Drama, Fantasia e Ficção científica
Direção: César Charlone, Daina Giannecchini, Dani Libardi e Jotagá Crema
Roteiro: Ivan Nakamura, Josefina Trotta e Pedro Aguilera
Elenco: Bianca Comparato, João Miguel, Zezé Motta, Nicolau Breyner, Mel Fronckowiack, Rodolfo Valente, Vaneza Oliveira, Michel Gomes, Rafael Lozano e Viviane Porto
Produção: Tiago Mello, Maria Bonita Filmes e Nation Filmes
Fotografia: Boutique Filmes e Netflix Brasil
Direção de Arte:  Valdy Lopes Junior
Trilha Sonora: Eduardo Piagge

 

 

Categoria: Ação, Aventura, Brasil, Detalhando, Drama, Ficção, Nacional, Primeiras Impressões, Resenhas de Seriados, Suspense

Sobre o autor ()

Sou um designer gráfico, pesquisador interessado em design antropológico, histórico e ligações do cinema com o ensino. Amante de séries e filmes. Aqui no site busco fazer uma análise mais técnica da linguagem visual e divulgação de novas formas para o uso do cinema, como o social e educacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *