cheap jerseys| wholesale jerseys| Cheap Jerseys Hot Sale For World Cup| Cheap NFL Jerseys Supply, Wholesale Jerseys China Free Shippi| Cheap authentic jerseys,Wholesale jerseys Quality Cheap Jerseys| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| Wholesale NFL Nike Jerseys Free Shipping For Sale Cheap | cheap jerseys from china:wholesale jerseys free shipping| Cheap China Jerseys From China Wholesale NFL Jerseys Free Shipping| NFL Jerseys China: Authentic Quality Cheap Jerseys

[Resenha/Crítica]: Bruxa de Blair (2016)

bruxa-de-blair-novo-filme-2016

Em 1999 Daniel Myrick e Eduardo Sánchez fizeram aquele que é o filme de terror independente mais lucrativo da história, com orçamento de pouco mais de 60 mil dólares eles mudaram o cinema deste gênero dali em diante. A Bruxa de Blair foi o grande responsável pela popularização e disseminação do estilo found footage de filmagem, que é bem mais barato para se fazer, casa com a ideia de mitos/lendas urbanas e torna a produção bem mais lucrativa para os estúdios. Agora 17 anos depois é lançado uma nova sequência desse filme – isso por que o fracasso Bruxa de Blair 2 fez o estúdio desconsiderar a existência desse longa de sua cronologia – que ficou nas mãos de Adam Wingard (ator e diretor) que tem vasta experiência no gênero.

Bruxa de Blair conta a história de James, irmão de Heather, a estudante de cinema que deixou como testemunha dos eventos sobrenaturais que culminarem no seu desaparecimento e o de sua equipe, um conjunto de fitas que depois veio a se transformar no documentário A Bruxa de Blair. Após ver um vídeo na internet ele se convence que sua irmã ainda vive em alguma casa abandonada na floresta ao redor de Burkittsville. James então reúne seus amigos e vai em busca de respostas sobre sua irmã além de buscar desvendar a verdade por trás das lendas que envolvem a Bruxa de Blair.

Assim como no filme anterior Bruxa de Blair usa e abusa do found footage, tentando recriar a atmosfera do seu predecessor e todas as lendas urbanas que cercavam a sua criação. Infelizmente vivemos outros tempos hoje, se em 1999 a comoção do público, os problemas da internet discada, além da falta de sites como Wikipedia levaram alguns a acreditar na veracidade da história, agora isso é praticamente impossível. Os produtores parecem que não perceberam isso e tentaram recriar uma divulgação similar ao longa original, assim como tentaram elaborar um roteiro que fosse bem semelhante ao Bruxa de Blair de 99. Na verdade acho que o grande problema do filme é justamente esse, falta originalidade a esta nova inserção nas matas de Burkittsville, assim como falta carisma e coerência para os personagens envolvidos.

Bruxa de Blair deverá causar algum desconforto e calafrios aos espectadores que forem conferir essa obra e isso se deve especialmente por causa da utilização do found footage – que dá uma sensação de que estamos todos juntos perdidos nessa situação bizarra – aliado com uma mixagem de som que é sensacional. Entretendo a escolha do corte e edição de imagens me desagradou bastante, a sensação de descontinuidade desde o incio da projeção pode e irá confundir boa parte da platéia além de dificultar a sua empatia para com os protagonistas. Ao final da sessão será possível que os espectadores saiam do cinema sem sentir a perda de nenhum destas personagens totalmente esquecíveis e mal construídos durante os 90 minutos de projeção. Bruxa de Blair deverá passar despercebido pela memória dos cinéfilos que arriscarem assisti-lo, talvez a nostalgia, a esperança ou apenas o “nome” da franquia possam fazer com que o longa tenha sucesso e resulte em novas inserções nas matas e casas mal assombradas de Burkittsville.

Nota do CD:
[Rating: 3/5]

Sinopse: Um grupo de estudantes universitários resolve se aventurar na floresta de Black Hills para desvendar os mistérios que cercam o desaparecimento da irmã de James, que muitos acreditam estar ligado à lenda da Bruxa de Blair. Eles criam esperanças de encontrar a garota, especialmente quando uma dupla de moradores se oferecem para guia-los na floresta. Mas com o cair da noite, o grupo é surpreendido por uma presença ameaçadora e percebem Jess Calder que a lenda é real e muito mais sinistra do que imaginaram.

Trailer:

Ficha Técnica:
Título no Brasil: Bruxa de Blair
Título Original: Blair Witch
Ano Lançamento: 2016
Gênero: Terror
País de Origem: EUA
Duração: 89 minutos
Direção: Adam Wingard
Estreia no Brasil: 15/09/2016
Estúdio/Distribuidora: Paris Filmes
Idade Indicativa: 12 anos
Elenco: James Allen McCune, Callie Hernandez, Corbin Reid, Brandon Scott, Wes Robinson, Valorie Curry.

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Detalhando, Em Cartaz, Resenhas de Filmes, Silvano Vianna, Terror

Sobre o autor ()

Um dos fundadores do Cinema Detalhado, sou psicólogo de formação e cinéfilo por opção. Assisto a qualquer tipo de filme, mas sou muito mais criterioso para recomenda-los.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *